Your browser doesn't support javascript.

SciELO Libros

SciELO Libros

Home > Búsqueda > (3)
Imprimir Exportar

Formato de exportación:



Exportar:

Email

Esta página Su selección Todas las referencias (hasta 300)
|
Resultados 1 - 3 de 3
1.

Desvendando a história da África

(eISBN:9788538603832)
Organizador(es): Macedo, José Rivair
Editora: Editora da UFRGS
Idioma(s): Portugués
Año: 2008
Sinopsis: Esta publicação é fruto da confluência de vários fatores que passaram a contar com o porto seguro oferecido pela Lei n° 10.639, de 2003, que institucionalizou o estudo integral da História do Brasil e o reconhecimento do papel primordial dos africanos e de seus descendentes na construção da civilização brasileira. Os trabalhos aqui apresentados são norteados pela vontade de trabalhar a História da África como objeto direto de conhecimento e pela luta pela verdade histórica e contra os preconceitos eurocêntricos. Neste sentido, o livro busca para proporcionar uma visão ampla e íntegra da África e de sua diversidade, ressaltando a contribuição inalienável das suas populações para a história da humanidade, do Brasil e para nossa formação como seres humanos.
2.

Políticas da diversidade: (in)visibilidades, pluralidade e cidadania em uma perspectiva antropológica

(eISBN:9788538603856)
Organizador(es): Jardim, Denise Fagundes; López, Laura Cecilia
Editora: Editora da UFRGS
Idioma(s): Portugués
Año: 2013
Sinopsis: Este livro propõe uma aproximação com as políticas da diversidade a partir de uma abordagem antropológica. Temas como multiculturalismo, multiculturalidade, interculturalidade, diversidade cultural e pluralidade vêm sendo debatidos como noções chaves para políticas públicas nacionais e, por vezes, parecem apenas sinônimos, ocultando a densidade de seus usos e escolhas conceituais e políticas. A partir das décadas de 1980 e 1990, em especial na experiência sul-americana, o debate público tem se transformado no que tange à compreensão da experiência nacional com as “minorias”. Novos sentidos, limites e desejos contidos nas noções de promoção de cidadania são consignados nas novas cartas constitucionais. Nelas, são contempladas políticas públicas relativas à promoção de equidade, que se encontram ligadas ao respeito e reconhecimento da pluralidade. Vislumbram-se efeitos (renovadores e contraditórios) dos processos políticos e esses reverberam nos debates sobre os ideais de nação e no tratamento de direitos até então vistos como formas de proteção a direitos minoritários. O ingresso de novos sujeitos políticos no diálogo com as políticas públicas tem chamado os antropólogos a examinar as práticas de justiça que vêm sendo elaboradas em um horizonte de política de Estado. Além de refletir, como é habitual para os antropólogos, sobre os usos da noção de diversidade e seus desafios atuais, nessa coletânea tomamos como objetivo a necessidade de dar a conhecer os modos como a antropologia e antropólogos têm sido conclamados a posicionar-se e frequentar espaços em que as noções de pluralidade e diversidade se tornam constitutivas das agendas públicas.
3.

A clínica psicanalítica na contemporaneidade

(eISBN:9788538603870)
Organizador(es): Backes, Carmen
Autor(es): Costa, Ana; Cumiotto, Carla; Pinho, Gerson Smiech; Ramos, Liz Nunes; Mees, Lúcia Alves; Poli, Maria Cristina; Nunes, Otávio Augusto Winck; Ramalho, Rosane Monteiro; Rilho, Valéria
Editora: Editora da UFRGS
Idioma(s): Portugués
Año: 2007
Sinopsis: Os textos que compõem este livro propõem ao leitor uma aproximação ao universo da clínica psicanalítica, do sofrimento psíquico, da forma como ele se apresenta na contemporaneidade. Passados pouco mais de cem anos da inauguração da psicanálise insiste a pergunta sobre quais modificações se operaram, no decorrer deste século – se é que de fato ocorreram –, na forma como é tomado o sofrimento psíquico e qual é hoje o estatuto da direção da cura na psicanálise. A ocupação e a preocupação com afecções dessa ordem na contemporaneidade são o norte que orienta os textos constantes deste livro. O retorno a alguns elementos balizadores (da teoria e da técnica) estabelecidos por Freud e Lacan – entrevistas preliminares, a transferência na clínica com crianças, os avatares da adolescência, a discriminação entre fantasia e fantasma, ato e interpretação – compõe a primeira parte deste livro e revela preocupação com o rigor do trabalho do psicanalista. O psicanalista estuda, opera, reconstrói conceitos quando uma pergunta se funda para ele, a partir de sua prática clínica. É tarefa da psicanálise a escuta do emergente, como também do sofrimento que na cena cotidiana aparece com freqüência. Freud, em sua produção teórica, fala de seu trabalho, de sua pesquisa, de seus impasses na condução da clínica de seu tempo e comprova que esta desarruma, desarticula os conceitos, inclusive os fundamentais. Porém, se a clínica desarruma os conceitos, ela também os renova. Este é o trabalho de pesquisa do psicanalista: construir e reconstruir conceitos a partir daquilo que sua prática clínica cotidiana aporta de novo. Os artigos sobre a direção da cura nas estruturas e quadros clínicos, revisitados à luz dos novos tempos, compõem a segunda parte do livro. As psicopatologias contemporâneas têm gerado discussões nos mais variados âmbitos: desde a área da saúde mais ampla, incluindo o meio médico, como também na mídia e na população em geral. De um lado, estão os laboratórios e o marketing em torno de seus lançamentos; de outro, o sujeito em sofrimento e a constatação de que as doenças também são fruto da modernidade, malgrado os avanços científicos.
Resultados 1 - 3 de 3