SciELO Livros

EDUEPB

 

Uma superfície de gelo ancorada no riso: a atualidade do grotesco em Hilda Hilst

Synopsis

A compreensão de Contos d’Escárnio não poderia restringir-se à construção do horizonte no qual nasce, o século XX. A intenção de escrever lixo e bestagem, anunciada pelo narrador, aos poucos, revela um grotesco vindo de um longínquo, de um aquém. Por isto, faz-se necessário também compreender o fluxo histórico-estético que encontra acolhida na imaginação de Hilda Hilst, cujo amparo conceitual buscou-se à estética da recepção e do efeito. Na Teoria Estética, o feio insurge como fenômeno da realidade artística contemporânea; refúgio de sobrevivência da arte e dos belos escritos, deixa livre à plasticidade do presente a tarefa da denúncia da realidade. Em protesto, o dissonante reivindica cidadania e se mantém como possibilidade da arte. Neste sentido, tem lugar em Hilda Hilst a atualidade do grotesco.

Table of Contents

Front Matter / Elementos Pré - textuais / Páginas Iniciales Preview PDF
Introdução Preview PDF
Capítulo I - Hilda Hilst no fluxo da espera: recepção e efeito produtivo no fluxo das obras literárias Preview PDF
Capítulo II - Hilda Hilst no fluxo do grotesco: o horizonte histórico de textos grotescos Preview PDF
Capítulo III - Hilda Hilst no fluxo da consciência: o horizonte estético de Contos d’escárnio Preview PDF
Considerações finais Preview PDF
Referências Preview PDF
Creative Commons License All the contents of this work, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-Non Commercial-ShareAlike 3.0 Unported.