SciELO Livros

EDUFBA

 

Irê Ayó: uma epistemologia afro-brasileira

Synopsis

A partir da educação e do estudo da cultura brasileira, Vanda Machado reencontra as raízes de sua identidade negra e revela nesse livro suas vivências com as crianças do axé. Conforme traduz o título, a obra destaca a lógica diaspórica, afro-brasileira, em contraposição à epistemologia colonizadora. Afinal, ela articula essa concepção de conhecimento com as políticas educacionais relativa à Lei nº 10.639/2003, que trata da obrigatoriedade de inclusão da cultura afro-brasileira nos currículos escolares, com a noção de cosmovisão, dos fenômenos do Aiyê e do Orun como fundamento ancestral. A autora, na prática com as crianças, partindo do princípio de que a educação é uma organização viva, demonstra implicações importantes do sujeito na sua condição de pertença. Contudo, por que a escola se mantém ainda rotineira, mantendo a epistemologia dominante? É a partir desse questionamento que antes de 1985 o livro se mostra como uma epistemologia a afro-brasileira iniciada na Escola Joana D’Arc no subúrbio Ferroviário de Paripe.

Table of Contents

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales
Apresentação
Prefácio
Introdução
Tradição oral e configuração cultural
O Ilê Axé Opô Afonjá: elementos de contextualização
Condições de autodescoberta e de potencialidades: uma epistemologia afro-brasileira para aprendizagem significativa
Descobrindo referências matemáticas, tempo e espaço com as crianças
Conscientizar e interrelacionar, buscando na natureza a unidade básica do conhecimento
Considerações finais: situações culturais, imagens e ancestralidade
Referências